Retina, tudo o que você precisa saber!

Tudo que você precisa saber sobre retina

RETINA

A retina é uma membrana muito fina e flexível que reveste a superfície interna da parte posterior do globo ocular. É a parte do olho responsável pela formação de imagens, ou seja, pelo sentido da visão. Funciona como uma tela para projeção das imagens enxergadas, traduzindo-as para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico.

Ela é uma das membranas do seguimento posterior do olho, cuja função é transformar o estímulo luminoso em um estímulo nervoso. A membrana nervosa do olho e seu território, estendem-se desde o nervo óptico até a pupila. É formada por dez camadas, das quais se destacam o epitélio pigmentario (a camada mais externa) e a camada sensorial (composta por fotorreceptores).

Para poder observar a retina, dada sua localização, é necessário usar um equipamento chamado oftalmoscópio, num processo denominado estudo de fundo de olho.

O estudo do fundo do olho serve como referência para enxergar duas estruturas importantes: a papila e a mácula. A papila é o ponto em que o nervo óptico se encontra com a retina, enquanto que a mácula representa o ponto mais sensível de toda a retina.

DESCOLAMENTO DA RETINA

A retina não possui nenhum elemento de fixação ao globo ocular. É o vítreo, uma substância gelatinosa e transparente, situada entre ela e o cristalino, que a mantém na posição anatomicamente adequada, ou seja, em contato com outras estruturas que lhe garantem suporte e nutrição (vasos sanguíneos e nutrientes).

Nos casos de desprendimento dessa estrutura da superfície interna do globo ocular, conhecido como descolamento de retina (regmatogênito), haverá a interrupção do fornecimento de nutrientes à retina, promovendo uma degeneração celular. É, portanto, uma urgência médica que, se não for tratada de forma rápida e adequada, poderá evoluir para perda total da visão.

A Fotocoagulação com laser e a Criopexia (congelamento) são alternativas terapêuticas para os casos menos graves, onde o objetivo é formar cicatrizes que interrompam a passagem do vítreo e favoreçam a fixação da retina.

Nos demais casos o tratamento é cirúrgico, cujo principal objetivo é vedar o orifício por onde escapa o vítreo. Isso pode ser feito por meio das seguintes técnicas:

1) Retinopatia pneumática

Injeção de gás na cavidade ocupada pelo vítreo, como forma de pressionar a área descolada da retina e impedir a passagem desse gel pela rasgadura que se formou. Tanto o gás injetado, quanto o fluido sob a retina serão aos poucos reabsorvidos pelo organismo;

2) Retinopexia

Implantação de uma faixa ou esponja de silicone ao redor do globo ocular para pressionar a esclera (o branco dos olhos) a fim de apoiar a retina e facilitar sua aderência;

3) Vitreoctomia

Técnica utilizada não só nos descolamentos de retina, mas no tratamento de outras patologias oculares; através de microincisões, são introduzidos instrumentos de tamanho diminuto para corrigir os defeitos que promoveram o deslocamento da retina.

Geralmente o problema é solucionado na primeira intervenção cirúrgica. No entanto, há situações que requerem novos procedimentos, bem como a associação de diferentes técnicas cirúrgicas.

RETINOPATIA DIABÉTICA

Uma outra patologia ocular própria da retina é chamada de retinopatia diabética, que se manifesta em pacientes diagnosticados com quadro de diabetes. Nesses casos, ocorre o estreitamento e às vezes, o bloqueio do vaso sanguíneo, além do enfraquecimento da sua parede, causando deformidades conhecidas como microaneurismas.

Esta doença só pode ser diagnosticada pelo médico oftalmologista em um exame ocular completo, seguido do tratamento adequado para solucionar o problema.

Quer saber as patologias oculares que cometem a saúde do nosso olho, leia aqui!


Entre em contato

Entre em contato conosco e agende uma consulta. Será uma satisfação atendê-lo(a)!

Acesse Agora